Anúncios

Posts Tagged ‘inverno’

::Onde fica Ausfahrt?::

17/11/2017

Encontre resposta para essa e muitas outras perguntas relacionadas à direção no inverno nas rodovias alemãs nesse artigo informativo e bem humorado! Ausfahrt, essa cidade alemã deve ser muito grande!…

Anúncios

::O nosso amigo, o frio::

05/11/2017

O frio chegou e não é nada fácil, todo ano é o mesmo processo: aceitar que tenho que usar muitas roupas, que tenho que reagir à mudança de temperatura, dar uma olhada nos meus sapatos de inverno, me ensimesmar, entrar pra dentro do meu casulo, o que tem até um lado bom, tenho a dizer. Olhar menos pra fora e mais pra dentro. Na realidade é bom pra quem gosta de escrever como eu.

Mas… com o frio também aparecem as pessoas doentes, os vírus são sabidinhos e pensam em novas formas, vírus vai, vírus vem, e eu pelo menos já fui “laçada” este ano. E como boa menina que sou, distribuí o que tinha entre os meus em casa, e todos nós ficamos doentes… e um trator passou por cima de cada um, nos nocauteando um após o outro, várias vezes já na segunda semana do nosso dia a dia de remedinhos caseiros e não-caseiros.

Bom, mas é o que fazer pra tentar fugir dele, o nosso querido amigo, o frio? Bom, fugir mesmo não dá jeito. Temos que sair pra passear assim mesmo, “aproveitar o ar fresco”, como diriam os alemães.

No mais, os segredos dos alemães no que diz respeito a lidar com o frio se resumem ao seguinte:
a) Não há tempo ruim, só roupa que não é adequada
b) Efeito cebola: vestir várias camadas e ir tirando, caso necessário
c) O calor do corpo sai pelas extremidades. Vale a pena investir em bons sapatos e lembrar de usar todos os acessórios: gorro, cachecol, luvas, meias-calças e/ou meias quentinhas. 

Noto que cada um perde o calor mais por uma parte do corpo. É ela que tem que ser mais protegida. No início não dei ouvidos à dica dos bons sapatos até que meus pés se congelaram na rua… E uma boa jaqueta não tem preço!…

O bom é que pra crianças, hoje em dia, é possível achar roupas de frio bem em conta em lojas de departamento ou em segunda mão. A parte ruim da história é que elas crescem… Bom, de agora pra frente todo meio de esquentar o corpo é pouco. É melhor tirar roupa por estar suando do que passar frio, vá por mim. E se quiser deixar seus truques anti-frio aqui nos comentários, os outros leitores agradecerão, e lembrarão de você num momento desses debaixo das cobertas!… 

::Zwiebellook e o frio na Alemanha::

06/02/2012

Morando na Alemanha há quase 20 anos, naturalmente já me acostumei com o frio. Mas desde que cheguei aqui nunca tinha enfrentado tanto frio como agora! Ontem bati todos os meus recordes pessoais, tendo sentido 14°C abaixo de zero à 1h da madruga… Mas a sorte é que o tempo está seco, então não se sente tanto frio quanto como se o frio estivesse sendo combinado com alta umidade no ar, o que para minha alegria não era/é o caso…

Até agora, todos os anos em que o frio chegou a tanto extremo como agora, estava no Brasil e tive a sorte de não o sentir na pele. Este inverno vai ficar na minha memória! Já chegam a quase 300 o número de mortos em toda a Europa, geralmente pessoas que vivem nas ruas e morreram literalmente de frio. Esta semana iríamos receber uma estudante italiana aqui em casa, que ficou impossibilitada de viajar porque a Itália está enfrentando muita neve e frio também. Os prefeitos pediram que as pessoas ficassem em casa e as aulas foram suspensar por lá. O mesmo não acontece por aqui, todos vão para a escola e para o trabalho como se nada tivesse acontecido. A única dependência fica sendo a dos meios de locomoção, que por um motivo ou outro podem fazer greve e nos deixar na mão. Todos os dias comentam nos noticiários de rádio que várias pessoas não conseguem usar seus carros porque eles os deixam na mão devido às baixas temperaturas. Por sorte, isso não me aconteceu – pelo menos ainda não! Viva o “Tudo Azul” (apelido do meu carrinho)!!!

Minhas técnicas pra enfrentar o frio são simples, mas eficazes: o frio sempre nos pega nas extremidades, então é importante proteger bem os pés, as mãos, o pescoço e a cabeça. O sapato é peça primordial pra quem quer ter paz no inverno, pois não dá pra ser feliz com os pés doendo de frio! Se a sola não for lisa, você ainda contribui pra não escorregar na neve. E em termos de roupas, é importante vestir a primeira camada de algodão e depois dela várias camadas à gosto, no melhor estilo Zwiebellook (estilo cebola) pra ir tirando as camadas – ou aumentando-as – conforme a necessidade. Uma boa jaqueta de inverno (de preferência com capuz) completa a indumentária. E como diz minha sogra: “Não há tempo ruim, só há pessoas vestidas com a roupa errada”.

Boa semana pra todos!

::Inspiração pra época natalina no meio do inverno europeu::

08/12/2010

Aqui tudo o que no momento não tenho(temos?):

Perfekter Tag:
Sonnenschein, die Rosen blühen. Ausschlafen, aber nicht zu lange. Mit der Familie auf der Terrasse frühstücken, Cappuccino mit viel Milchschaum trinken. Die Katze kraulen. Kein Termindruck, keine Verpflichtungen, der ganze Tag gehört uns. Zwischendrin mal eine halbe Stunde in der Hängematte liegen. Am Abend vielleicht ein Kinobesuch oder ein leckeres Essen mit Freunden.

Um dia perfeito (tradução minha, original daqui):
O sol brilha, as rosas crescem. Dormir o necessário, mas não por muito tempo. Tomar café-da-manhã com a família na varanda, pra mim um cappuccino com muita espuma de leite. Fazer cafuné no gato. Não ter horários pré-definidos, nenhuma obrigação, o dia é todo nosso. Entre uma coisa e outra, passar uma meia-hora despreocupada na rede. À noite, ir talvez ao cinema ou sair pra jantar com amigos.

***

Nada mal, não é mesmo? Talvez conseguirei(remos) fazer tudo isso em julho/agosto do ano que vem! Agora não dá, pois o frrrrrrrrio e a neve chegaram novamente com força total. Enquanto isso: Laterne, Laterne, corre, corre, Nicolaus, corre, corre, quase-Natal, corre, corre, Natal, corre, corre, Ano Novo, corre, corre, tira neve, molha sapato, sai pro trabalho no escuro e volta ainda no escuro (o escuro do inverno é bem mais escuro do que os outros). Há uns dias atrás a alegria do Daniel (agora de óculos!) fez com que me atentasse (de novo) pra beleza do inverno: ele adora neve, claro, brinca, pula, faz pegadas no chão, passa a mão em tudo o que acha pela frente e espalha a neve por aí, super bem humorado e como sempre de bem com a vida!… A alegria dele me faz ficar feliz!

P.S.-A tempo: pra quem quiser pedir jogos usados e novos aqui na Alemanha pela internet (Wii, XBox, Playstation…), sugiro o shop da XGames, o maior da Europa com quase 80.000 jogos. Se possível, escolha o shop do meu marido, o XGames Radolfzell, como seu shop preferido. Obrigada e boas compras natalinas!

::Mais uma semana em Munique::

30/01/2010

Dando continuamento ao meu curso de formação como European Business Coach, estive em Munique durante a semana passada. Desculpem-me pelo atraso em responder os comentários! Há tanta coisa que se pode aprender e vivenciar em uma só semana:
– Como faz frio em Munique! Se minha irmã não tivesse me emprestado uma meia-calça de inverno, eu teria congelado no caminho diário de ida e volta do curso, tendo escorregado várias vezes na neve. Munique parece outro país no que diz respeito à limpeza das ruas enquanto neva. Aqui na região onde moro todo mundo corre lá fora e limpa pelo menos um pequeno caminho na frente das casa para garantir que não aconteça um acidente e que ninguém escorregue na neve (o responsável pelos danos é sempre o dono do imóvel). Em Munique, pelo menos na parte central da cidade, quem cuida dos passeios é a prefeitura e ela não conhece outro método a não ser “amassar” a neve, o que deixa o transitar pela cidade bastante perigoso. Há anos não sentia tanto frio como por lá! Enfrentei quase 10 graus abaixo de zero… Por outro lado, que bom que não estive/moro no norte da Alemanha, pois lá o inverno está bem mais rigoroso que aqui no sul!
– Como é bom ter família por perto! A Rê e o Rô tiveram o maior carinho comigo, apesar da gravidez da minha irmã e do Mimi, meu sobrinho, ter estado doentinho esta semana. Ela fez cada jantar mais delicioso e bonito e cuidou tão bem de mim que me senti praticamente em casa! 🙂
– O telefonema diário com a família fazia com que fosse possível ir acompanhando as novidades. O Daniel mentiu praticamente pela 1a. vez esta semana e teve uma vergonha danada ao ter que contar o que fez (jogou água na cama e disse que tinha feito xixi, mas a calça estava seca). Segundo minha experiência o fato de uma criança ter que se expor para se explicar é o que mais conta na educação, pois isso emociona e marca.
– Eu fiz uma viagem enorme dentro de mim mesma esta semana! Eu ainda não tinha noção de que o trabalho do coach tivesse tanto efeito e que fosse tão poderoso! Eu presenciei e constatei este fato tanto em mim quanto em outros participantes do meu curso. Sinto-me crescendo constantemente como pessoa e no caminho em busca de mim mesma – e gosto do que vejo, aprendo a cada dia um pouco mais.
– Durante a semana minha boa amiga brasileira Lu me ligou pra contar que finalmente passou na prova para se tornar professora de ginásio – segurem-se em suas cadeiras – de alemão e de espanhol. Parabéns, Luluca Gomalina!!! Ela tinha tido um bloqueio na última prova oral e não tinha conseguido terminá-la. Com isso ela percebeu que não bastava dominar o conteúdo, mas que o mais importante era dominar as emoções e acreditar nela mesma para chegar no objetivo de se tornar professora de ginásio na Alemanha, o “filho” mais difícil que ela gerou em toda a sua vida. Para minha alegria, ela finalmente passou na prova, o que me deixou cheia de orgulho, pois ela merece, só posso dizer que ela merece, e muito. Acho que deve ser a única professora brasileira que está apta a dar aula de alemão em ginásio aqui por estas bandas. O que me deixou um tanto boquiaberta foi constatar que as conversas que tivemos, durante as quais a ajudei a controlar o nervosismo e acreditar mais em si, buscando, analisando e eliminando o efeito das causas para o bloqueio que ela tinha tido devido ao medo exacerbado da mesa examinadora, tinha sido na realidade um coach que usei instintivamente, mesmo antes de aprender um método. Um dia depois da boa notícia, aprendi uma técnica para eliminar bloqueios no meu curso de Business Coach e percebi que já a tinha aplicado no caso da minha querida Lu. E o melhor: tive a prova de que ela funciona! Lu: estou muito feliz por você e super orgulhosa pelo seu sucesso! Você sabe que eu sempre acreditei em seu potencial e que tinha certeza que iria alcançar o que tanto queria. Estou mesmo transbordando de felicidade e orgulho por você!!! Parabéns, minha amiga!
– Como é bom voltar pra casa! Ganhei de cara uma recepção maravilhosa. Apesar de ter chegado tarde da noite, o Matthias foi me buscar na estação de trem com um beijo e um sorriso no rosto, a Taísa estava ajudando a acabar de fazer o jantar e o Daniel se jogou no meu colo dizendo “ich liebe meine Mama” (eu amo a minha mãe). Nem precisa dizer que eu adorei estar de novo em casa, não é mesmo? 😉
– Um envelope esperava por mim aqui em casa: minha demissão. Eu já sabia que ela ia chegar, portanto não foi surpresa nenhuma para mim. Acho que devo ser uma das poucas pessoas que recebe sua demissão e fica satisfeita com ela. Isso porque eu sei que chegou a hora de mudar profissionalmente, em busca de mim mesma e mais próxima ainda da vocação que vejo para mim mesma de ser uma ponte entre pessoas e culturas. Estarei recebendo uma grande parte do meu salário até o final deste ano, e poderei fazer mais um curso pago pela empresa, além de ter apoio para a busca de um novo emprego. No momento penso em fazer mais um curso para dsenvolver métodos para dar treinamentos interculturais e passar minha experiência para frente no campo da diversidade. Estou aberta tanto para me tornar business coach e treinadora intercultural tanto quanto para buscar um novo emprego. Não sei hoje o que o futuro próximo me reserva, mas uma coisa é certa: tenho um bom pressentimento, confio em mim e no universo.

::E o frio vem chegando…::

27/10/2009

O horário de verão se foi no domingo passado e naquele dia “ganhamos” uma hora. Assim pudemos dormir uma hora a mais no final de semana. Isso significa que a partir de agora os dias ficarão cada vez mais curtos, cinzas, frios, chuvosos como hoje. Que a noite ficará cada vez mais escura. Sim, as noites do inverno são muitíssimo mais “pretas” do que as do verão. E que teremos mais tempo pra passar dentro de casa, ler, tomar chá, ver filme, passar as tardes com os amigos no quentinho das nossas casas, aquecidas artificialmente. Esta é a época do ano em que mais pessoas se suicidam. Aqui onde moro o modo mais escolhido é pular na frente do trem. A neblina é tanta que não dá pra ver o lago mais e a beleza da natureza tem que ficar registrada na memória, pois ela é muito mais difícil de se ver nos dias de neblina. Esta é uma época de introspecção, que pode parecer sombria, mas que também pode fazer bem. Tudo depende do nosso ponto de vista, ver em um copo meio cheio um copo meio vazio continua sendo nossa opção. Que cada um se decida cada vez mais pelo meio copo cheio! Boa semana pra todos!

::Colunistas e inverno::

16/01/2006

Há um tempão estou para escrever novamente para esta coluna e não escrevo. Já comecei vários textos na cabeça, mas nenhum deles no papel. Mil mudanças, como dizia o nosso querido poeta Cazuza: “o tempo não pára”. Sou feliz mãe-coruja de uma estrelinha chamada Daniel, de uma menina-moça chamada Taísa, esposa, filha, amiga, colega, funcionária, dona-de-casa, escritora, blogueira. Eu sou muitas Sandras e procuro conciliar meus afazeres com meu tempo e minhas vontades. Sempre acaba ficando algo pra trás e agora está sendo esta coluna. Mas agora chegou a hora de retomá-la!

Queria, neste ponto, agradecer pelos meus fiéis leitores e me desculpar por não ter tempo de entrar em contato com cada um de vocês. Não o faço por absoluta falta de tempo, mas fico extremamente grata às pessoas que lêem e tiram proveito das palavras que escrevo, pois meu intuito é este mesmo, o de trocar idéias junto de vocês, servir, de alguma forma, de apoio, de inspiração, de motivo para avaliação interna, de fonte de informação (ainda que tudo o que escreva sempre seja reflexo absoluto da minha ótica pessoal – como também não poderia deixar de ser, não é mesmo?).

Antes de mais nada, dou minhas boas-vindas aos novos colunistas, e parabéns pelos textos escritos. Que formemos juntos um grupo capaz de inspirar, trocar idéias e crescer juntos!

E o inverno? Ah, o inverno!.. Todo ano eu faço um esforço tremendo para me esquecer do que significa o inverno… Mas todo ano tenho que ser lembrada exatamente do que ele significa, e sou obrigada a me (re)acostumar com ele. Vestir mil e uma roupas antes de sair de casa, no melhor estilo “cebola” (várias camadas de roupas, uma em cima da outra). Apesar disso, sentir frrrrrrrrio, literalmente, até a ALMA. Querer sair de carro e não poder, pelo menos imediatamente: antes disso, ter que lutar com a neve, com o gelo agarrado nos vidros do carro. Ter que lembrar de mandar trocar os pneus do carro, de pneus de verão para pneus de inverno, e por favor com antecedência e por favor antes da primeira neve! Ter que dirigir totalmente diferente, com medo de derrapar nas pistas (e, muitas vezes, ter que dominar o carro ao derrapar). Suportar o escuro do dia (que dia!?!), as roupas escuras, e viver nesta fase de introspecção que pode levar qualquer um fácil, fácil à depressão.

Mas todo ano, depois de me acostumar ao inverno, também fico feliz com ele: a neve branquinha, o silêncio fenomenal, divino. O andar na neve, aquele sentimento de que você está andando sobre um algodão molinho. A beleza da natureza, que fica ainda mais bonita com os efeitos da neve. A intensidade do brilho de uma vela, de uma casa enfeitada com uma iluminação de natal, que dá paz, equilíbrio, força interior.

Assim como as quatro estações, tão bem definidas nesta parte do mundo, aprendemos que tudo tem seu tempo, que a vida é um ciclo, que tudo vai e volta, que antes da primavera sempre virá um inverno, que as tristezas precedem as alegrias, e vice-versa. E assim, como em todo ano, reencontro minha paz interior e faço as pazes com o inverno, até que o próximo inverno chegue.


%d blogueiros gostam disto: