Anúncios

Posts Tagged ‘adaptação’

::Histórias de sucesso de brasileiros na Alemanha::

29/10/2017

São histórias assim que me enchem de admiração e respeito pelo caminho de cada um. Apesar de todos os pesares, fica a certeza de que vale a pena acreditar em nossos sonhos… Meus sinceros parabéns, Celso!

“Para cada „Adriana” (mentor) em nossas vidas existem meia dúzia de pessoas prontas para nos desanimar. A arte está em não se deixar apavorar.”

Anúncios

Lindo pedaço de artigo do jornal Die Zeit::

10/01/2014

Um dos jornais alemães dos quais mais gosto é o Die Zeit (O Tempo). Nele li hoje um artigo sobre uma africana que foi deportada da Alemanha há 7 anos atrás e que acaba de voltar pra Alemanha, agora casada.

“Es ist nicht leicht in diesen ersten Tagen. Celestine hängt wieder in einer Zwischenwelt. Ihr altes Leben ist vorbei, aber das neue hat noch nicht begonnen. Auch wenn sie diesmal mehr Zeit hatte zum Packen ihres Koffers, musste sie Dinge da lassen. Dafür hat sie anderes im Gepäck, von dem sie noch nicht weiß, was genau das ist. Niemand weiß, was all die Abschiede mit einem machen”.

“Não é fácil nesses primeiros dias. Celestine está presa novamente entre dois mundos. Sua vida anterior se foi, mas a nova ainda não começou. Ainda que ela tenha tido mais tempo desta vez para fazer suas malas, ela teve que deixar muita coisa pra trás. Em compensação, ela traz outras coisas consigo, embora não conheça o significado delas. Ninguém sabe direito o que as despedidas ao longo da vida fazem com o ser humano.”

Acho que todo mundo que mora longe fora de casa ou que tem pessoas queridas morando do outro lado do mundo fica tocado por uma frase como esta, não é mesmo?

Quelle/Fonte: Die Zeit, parte Zeitmagazin Nr. 3 de 09/01/14, página 20, artigo “Eine Heimatgeschichte“.

:: Instruções & dicas para adaptação::

26/07/2005

26 Julho 2005

Instruções & dicas para adaptação

Uma leitora da coluna chamada Tatiane passou por aqui e deixou um comentário pedindo “instruções, dicas para facilitar minha ida e adaptação que precisa ser rápida”. Difícil, muito difícil. Todo mundo gostaria de se adaptar rapidamente a um novo ambiente, entender o idioma, captar as mensagens (escritas e não escritas), entender o que se passa na cabeça das pessoas, porque elas reagem assim ou assado, gostaria de se orientar bem, de não se sentir perdido, algumas vezes sozinho, dependente de ajuda… Bom, mas infelizmente não é assim. Eu posso dizer (sem querer desanimar ninguém, só sendo sincera) que mesmo depois de mais de 10 anos na Alemanha continuo não me considerando 100% adaptada.

Mas também pudera: 100% de adaptação, na minha opinião, significaria que eu teria apagado da minha memória meu passado, minhas origens, que eu teria deixado de ter o paladar que tenho, teria sumido com o idioma português da minha cabeça (que eles aqui aliás chamam, no nosso caso, de “Brasilianisch“. Eles tem mais auto-estima com relação ao nosso idioma do que nós mesmos!), teria deixado o jingado de lado, meu gosto musical… Resumindo: eu teria que ter deixado de ser eu mesma. E isso não é possível.

Então eu tenho uma dica só para facilitar a adaptação num ambiente estranho à nossa realidade inicial: andar “antenado”, 24 horas por dia. A vida é feita de oportunidades e a felicidade se traduz em bons momentos vividos. Antenados, temos a possibilidade de descobrir algo novo, captar uma mensagem ou encontrar uma oportunidade. Temos a chance de ficar deslumbrados com uma tulipa, uma rosa, uma flor no campo. Com um sorriso podemos ganhar o dia. Estando abertos para nós próprios e para o mundo podemos ter a chance de conhecer pessoas legais que poderão fazer o diferencial no nosso dia, talvez na nossa vida. Da interação poderão surgir idéias interessantes, outras perspectivas, maneiras de enxergar a vida. Ande antenado. E como dizia um texto lindo que eu tenho guardado comigo com muito carinho, presente da minha amiga Carla de Beagá e escrito por Roberto Shinyashiki: “Relaxe, como está na Bíblia, e viva um dia por vez: coma o morango. Problemas acontecem na vida de todos nós, até o último suspiro. (…) Mas nós precisamos saber comer os morangos, sempre. (…) A felicidade é construida todos os dias. A felicidade não é algo que você vai conquistar fora de você… A felicidade é algo que vive dentro de você, do seu coração. A felicidade é a oportunidade que você cria para ser o artista da sua autocriação. Eu aqui, no meu canto, torço para que você descubra a sua maneira de ser feliz”.


%d blogueiros gostam disto: