Anúncios

::Quanto de nós somos nós mesmos?::

A palestra na UFMG foi o maior barato, ainda mais porque a platéia era numerosa e estava muito interessada. O prof. Dr. Élcio Cornelsen teve a gentileza de falar um pouco sobre o tema antes de mim e me apresentar, depois eu li algumas passagens curtas do livro, recheadas de comentários meus, e por último houve a longa moderação de perguntas do público, composto por estudantes e professores da UFMG, alemães, leitores do livro que só vieram para que o mesmo fosse autografado ou por curiosidade de me conhecer pessoalmente. Imaginem só: teve até uma leitora que veio de Ouro Preto com sua mãe (quase 2h de viagem) especialmente para a palestra! Agradeço imensamente pela excelente recepção na FALE-UFMG e pelo bate-papo gostoso com todos os participantes, ávidos de querer entender o ser humano do outro lado do oceano, como pensam, por que pensam, como são, por que, quando e como são… Uma das perguntas foi bem contundente: queriam saber se altero de alguma forma minha identidade, dependendo de onde quer que esteja. Eu disse que não, eu sou eu mesma em toda e qualquer parte. Disse que se não puder ser eu, não vou conseguir ficar por muito tempo em um local. Por outro lado, lembrei todos os participantes da subjetividade de minhas observações. Comentei sobre um artigo lido no voo, desta vez felizmente feito direto para Beagá pela TAP, que dizia que informar é como dar forma às palavras, é como colocar água em um cálice, que toma a forma do mesmo. É eliminar um pouco do caos à nossa volta e fazê-lo mais inteligível. Adorei esta ideia, pois nunca tinha pensado nisso. O artigo disse que como vivemos em um mundo repleto de informações, temos que tomar cuidado com quem nos informa e selecionar as informações recebidas. E alertei que represento só uma opinião dos quase 100 mil (?) brasileiros que vivem na Alemanha. Por outro lado, um alemão chamado Matthias, também leitor do meu livro, comentou que leu e gostou muito do “Mineirinha n’Alemanha” e que achou estranho chegar à Alemanha, de volta do Brasil, e não poder dar um abraço apertado em seu pai, que o cumprimentou com um aperto de mãos. Ele lembrou, porém, que a distância física entre as pessoas significa também respeito na Alemanha, e ao mesmo tempo que sabe disso, disse ter tido vontade de dar um baita abraço no pai dele “à moda brasileira”. Isso exprime o potencial que há entre as culturas, algo que tentei passar durante a palestra, de que somos diferentes sim, mas podemos ser sinergicamente ótimos uns para os outros, passando de cada lado aquilo que nossas culturas tem de melhor.

Desculpem por eu ter demorado tanto a fazer um relato, mas se por um lado a inspiração me pregava uma peça, por outro continuo curtindo minhas férias no Brasil. Viajando, viajando, visitando família, vendo amigos, curtindo meus pais. Nada melhor do que isso! Volto com certeza com muita história pra contar e muitas lembranças. Perto dos 40, “desenterrei” alguns cadernos de perguntas de amigos dos tempos de colégio (1983-84), e munida destas relíquias, e principalmente dos nomes completos dos meus amigos de outrora, quero tentar reencontrar velhas amizades perdidas no tempo e no espaço através da internet. Que me aguardem! 😉

Ah, sim… a Taísa fez um vídeo de um pedacinho da palestra, que vou postar com calma mais tarde. Fui.

Anúncios

Tags: , , , , , ,

15 Respostas to “::Quanto de nós somos nós mesmos?::”

  1. Rejane Lima Says:

    Queria muito ter visto essa palestra.
    Boas férias!!!

  2. mary Says:

    Estou com dúvidas: se a distância física entre as pessoas significa respeito, então abraçar, na visão alemã, é desrespeito? E qdo eles se abraçam como brasileiros?
    Obrigada e boas férias!

    • Sandra Santos Says:

      Oi Mary,
      O abraco nao é desrespeito, mas manter a distancia física é pra eles também uma forma de mostrar respeito. A minha filha comenta que nem todos mantem esta distancia. Na sala dela, p.ex., +- 10 amigas se abracam todos os dias, qdo. se encontram e qdo. se despedem. Isto também é sinal de respeito, hehehe 🙂
      Um beijo,
      Sandra

  3. Meggi Fechter Says:

    Oi Sandra, sabe o que achei muitas vezes engracado, foi quando conheci algumas pessoas que me disseram no inicio que nao gostavam desse contato fisico, que nao se sentiam bem! e ao passar o tempo essas mesmas pessoas agora quando me veem me abracam e dao beijinhos dizem que as cativei! legal nao e mesmo? como um pouco de atencao e mimo mudam o coracao de algumas pessoas as vezes e carencia pura!
    E que legal que as pessoas gostaram da sua palestra e como vc esta famosa parabens! estou ansiosa para ver o video! e curta mesmo a familia e amigos, a vida nao e eterna, e temos realmente de viver os momentos com as pessoas amadas bjks Tchau e ate mais

    • Sandra Santos Says:

      Sim, isso é muito bom, Meggi, quer dizer que vc tocou essas pessoas de maneira positiva, e isso é bom pra ambas as partes. Obrigada pelo carinho. A palestra me trouxe grande satisfacao. Pode deixar que estou sim curtindo ao máximo.
      Um abraco,
      Sandra

  4. Bruno Bernardino Says:

    Eu amei tb a ideia do informar como dar forma e também da importancia de selecionar fontes de informacao. Eu seleciono até demais, até por influencia de alguns professores meus que energicamente diziam “se for para ler porcaria, é muito melhor nao ler”
    E o seu blog é um dos pouquíssimos que acompanho! Parabéns. Adoro a transparencia e a lucidez deste.
    Divirta se muiiiiiiiiiiiiiiiito no brasil. Ai que saudade.com.br!
    abracao
    brunob.

    • Sandra Santos Says:

      Oi Bruno,
      Adorei ler que vc gostou da palestra, gostei de tudo e principalmente do “Ai que saudade.com.br” 😉
      Um beijo e um queijo da Mineirinha,
      Sandra

  5. Neusa Arnold-Cortez Says:

    Que legal, Sandrinha! Fiquei muito feliz por você e por todas as pessoas que te acompanharam. Tenho certeza que a experiência enriqueceu muito vocês todos! Ótimas férias, ainda, neste lindo país!

  6. Talia Says:

    Oi Sandra, tudo jóia?
    Você deixou registrada aí a presença. 😉
    Até, um beijo.

  7. Cecilia Says:

    oi Mineirinha, estamos já indo pro litoral norte de carro, acho que vai ser difícil chegar até ai mas se coseguir te aviso uns dias antes, ok? parabéns pelo sucesso da palestra, eu já sabia que seria ótima pois sua energia é mesmo contagiante! nos vemos em breve aqui ou lá! beijos e boas férias a vc e toda a família!

  8. Isabela Santos Says:

    Adorei o relato e aguardo agora o vídeo! bjs

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: