Anúncios

::Balanço de final de ano: dividindo experiência para ajudar no crescimento de outras pessoas::

03/12/2017

Dezembro é um ano em que naturalmente se faz um balanço do ano que se passou, não é mesmo? No meu caso, o balanço é curto e positivo, e espero que no seu caso também!

Posso resumir meu balanço em dois pontos muito significativos para mim, que passam por mim e envolvem muitas pessoas por aí, numa corrente positiva:

a) Lancei o livro “(Re)descobrindo Quem é Você”, que foi muito bem recebido pelo público;

b) Atualizei minha página de consultoria Connex Consulting com os últimos sucessos de consultora, onde divido minha experiência adquirida em mais de 10 anos de trabalho na área de Recursos Humanos para ajudar no crescimento de pessoas que vêm buscar meu auxílio para encontrar uma vaga de estudo ou trabalho na Alemanha e na Suíça. Até agora já foram cinco (!) pessoas que conseguiram o que queriam logo na primeira empresa onde se candidataram! Como um dos meus coachees disse, uma verdadeira “sniper Bewerbung” – candidatura de franco-atirador, com obtenção de 100% de sucesso em uma só tentativa! Confira alguns depoimentos e resultados das pessoas que venho atendendo através da Connex Consulting clicando aqui.

Bom domingo de balanços para todos!

“Frage dich nicht, was die Welt braucht. Frage dich, was dich lebendig werden lässt und dann geh los und tu das. Was die Welt nämlich braucht sind Menschen, die lebendig geworden sind.”
Harold Whitman

“Não se pergunte do que o mundo precisa. Pergunte a você o que o faz se sentir vivo, e vá em busca disso. O mundo precisa de pessoas que se sintam (se tornaram) vivas.”
Harold Whitman

Anúncios

::Vale a pena ser feminista na Alemanha?::

03/12/2017

Eu sempre responderia a essa pergunta com um claro SIM! Mas por que, ainda nos dias de hoje, alguns certamente perguntariam.

Que tipo de discriminação uma mulher sofre nos dias atuais na Alemanha? Vou citar algumas delas: há discriminação salarial, discriminação em relação a postos de poder/liderança e recentemente a Alemanha só conseguiu colocar mulheres em grande quantidade dentro de conselhos administrativos de empresas que fazem parte do índice DAX porque impôs isso como cota prevista por lei. A maior parte dos estudantes são mulheres, mas elas não estão representadas da mesma maneira no mercado de trabalho, por várias razões, como os homens. Só o fato de uma mulher ter que trabalhar pouco ou meio período pra cuidar de filhos e familiares, só isso já é um tipo indireto de discriminação. Durante esse tempo, ela poderia estar atuando no mercado e galgando promoções e aumentos salariais. Uma mulher que busca um posto de trabalho enquanto pode casar e ter filhos, pode ser descartada somente por essa suposição, que logicamente não será alegada porque discriminação de gênero é algo proibido aqui na Alemanha (AGG). Se uma mulher tem filhos e descobrem que eles são pequenos, ela pode perder a oportunidade de conseguir um emprego ou uma promoção pelo mesmo motivo, pois a suposição de que o cuidado com os filhos é algo estritamente ligado à mulher, ainda está muito enraizada aqui e em muitas outras culturas. Ainda há razões para ser feminista aqui, no Brasil e em qualquer lugar no mundo! Observem cada foto que é tirada de empresas, de políticos, etc. Quantas mulheres aparecem por lá? Somos a metade da população e deveríamos ter metade da representação, ou próximo a esse patamar!

Inconscientemente, muitas vezes, ainda contribuímos para esse viés, não confiando no nosso taco, negociando pouco os salários, deixando de nos vender de forma positiva em uma entrevista, etc. Vou a fundo nessas questões no meu livro, o (Re)descobrindo Quem é Você.

Mesmo reconhecendo o avanço dos últimos anos em terras germânicas, os muitos homens que empurram carrinho de bebê nas ruas, que tiram licença paternidade, as mulheres que pilotam ônibus, trens e aviões, ainda há muito por ser feito. Um pequeno exemplo: a Alemanha prevê por lei o direito a trabalho em período parcial (Teilzeitgesetz), direito esse que é usado mais por mulheres, que acabam por reduzir seus salários e diminuir suas contribuições para a aposentadoria. Mesmo assim, inegavelmente é um direito que contribui para que muitas mulheres continuem trabalhando, mesmo que estejam arcando com as consequências.

Vivemos em um mundo onde o peso da educação dos filhos e os cuidados com a casa pesam sobre os ombros das mulheres, sendo que dividimos o mesmo teto com nosso parceiro, pai de nossos filhos, que pode e deve assumir 50% das responsabilidades dentro e fora de casa, como um time que funciona junto para ganhar junto.

::The Liebster Award – dica de blogs::

27/11/2017

liebster-award-banner

A internet está cheia de surpresas! Desta vez, certamente com algum atraso, descobri que a Raquel do blog Backpackingalone me incluiu nesse post dela, na questão seguinte:

4. Vc já encontrou com alguma pessoa que você admira pessoalmente? (escritor, ator, etc.)
Sim, Sandra Santos do blog Mineirinha n’Alemanha e The Backstreet Boys.

Kkkkk…. Eu e o Backstreet Boys!… Raquel, muito obrigada pelo carinho! Você sabe que é recíproco!

Bom, quem foi parar nesse post tão por acaso como eu, tem agora a honra de ter ganhado esse prêmio, e por isso ter o prazer de responder às 12 perguntas abaixo:

1. Qual é seu nome e apelido?
Meu nome é Sandra, meu apelido é Sandrinha para os amigos, Doquinha/Minhoca para meus pais e irmãos.

2. Seu blog é sobre quais assuntos?
Viver e trabalhar na Alemanha, cultura alemã, o lugar e espaço da mulher no mundo de hoje, feminismo, mulheres fortes, diversidade, inclusão, multiculturalismo, viagens, atualidades gerais.

3. Por que você escreve um blog?
Gosto de escrever, de compartilhar minhas experiências, trocar ideias, fazer amizades e ajudar os conterrâneos a crescerem junto comigo!

4. Qual é o seu filme predileto? O que te chamou atenção no filme?
No momento é o último filme que vi, hoje à noite, Malala. Quanta transparência na missão dessa menina, quanta determinação, quanta coragem e sabedoria! Ainda mais olhando pela perspectiva de que ela ainda é muito jovem e já passou por um grande trauma! Ganhou merecidamente o Prêmio Nobel da Paz em 2014 por lutar pelo direito de meninas à educação.

5. Mudando de assunto… qual é a cor de roupas que predomina no seu armário?
Bege e vinho, minhas cores prediletas.

6. Comida favorita?
Amo comida do mundo todo! E adoro comida mineira: arroz, feijão, couve, ovo frito, salada, frango com quiabo, angu, feijão tropeiro, feijoada… a lista seria interminável. A solução é ir comer em restaurante com muita opção!

7. Recomende um livro. Por que você o recomenda?
Trotzdem ja zum Leben sagen – ein Psychologe erlebt das Konzentrationslager do Viktor Frankl. É um livro de um psiquiatra austríaco, judeu, que teve a oportunidade de ir para os EUA antes da Guerra e preferiu ficar para cuidar de seus pais, foi parar em um campo de concentração, conta sobre sua experiência por lá e apresenta a teoria da logoterapia, que aposta no encontro da sentida da vida para a cura de várias questões. Ele prega o encontro da dignidade de viver a vida em busca de amor, de encontro com os nossos talentos e sabendo/aprendendo a aceitar aquilo que não podemos mudar em nossas vidas. Pra mim foi como se tivesse encontrado uma alma gêmea, me identifiquei imediatamente com os pensamentos de Viktor Frankl! A leitura desse livro me marcou para toda a vida!

8. Cite um país ou uma cidade que pretende conhecer algum dia.
Algarve, em Portugal. Planejo conhecer em breve…

9. Qual matéria da escola você mais gostava?
Eram muitas!… Português, inglês, história, geografia…

10. O que na vida te deixa curioso?
O ser humano. Cada um de nós é uma ilha esperando por ser descoberta.

11. Sorvete ou picolé?
Sorvete!

12. Quais blogs além do meu você já passou um tempo lendo?
Consulta Sentimental, da Silvia Angerami, para quem passo a tarefa de participar dessa brincadeira com as seguintes perguntas:

1. Seu nome e apelido.
2. Quais são seus hobbies?
3. Qual foi o conselho sentimental mais marcante que você já deu no seu blog?
4. Você sabe quais são as pessoas que você conhece que eu também conheço, pessoal ou virtualmente? Caso saiba, quais são elas?
5. Depois de ter lançado o livro de tantas pessoas, como foi a experiência de escrever seu próprio livro?
6. Fale um pouco sobre seu livro, o Destino Algarve.
7. Como é sair da muvuca de Sampa e ir morar em uma cidade litorânea do sul de Portugal?
8. O que mais te impressionou até agora com relação à vida europeia?
9. Desde que se mudou para Portugal, qual foi o lugar mais lindo que você já conheceu?
10. Qual é uma cidade ou país que quer conhecer em breve?
11. Qual é sua música predileta e por quê?
12. Se você tivesse um único pedido para fazer para o gênio da lâmpada, qual seria esse pedido?

Silvia, aqui estão as Regras do Jogo:

– Inserir no post a imagem com o selo Liebster Award.
– Escrever 12 fatos sobre você (eram 11, mas a Raquel fez 12 perguntas e eu tbém fiz!)
– Responder as perguntas de quem indicou a TAG.
– Fazer 12 perguntas pra os blogs que você indicar.
– Linkar de volta quem te indicou!

::O que é melhor no Brasil?::

17/11/2017

Dando uma pesquisada por determinadas palavras no emaranhado de posts do meu blog, achei o que queria, e por acaso li esse post, que por sua vez me levou ao blog do Dago e da Cíntia, que me levou a seus comentários. Deu pra vc se reconhecer quando queria só olhar uma coisinha bem rapidinho e acabou caindo de novo (confesse, isso te acontece muitas vezes…) no esquema suga-tempo da internet?

Mas a parte boa da história foi que nos comentários achei essa pérola bem humorada:


What’s better in Brasil? Lots of things:
– Caipirinha
– Girls wear less clothes 😛
– no matter how I speak: important is to be understood
– People don’t dislike chimarrão (strong green tea)
– People share more than divide (a group divides prices for a meal by count of persons) –> less democratic but nice social gesture
– Girls wear less clothes
– Traveling is cheap, at least by 14h bus ride for us guys
– it rains less than 1/2 a year continuosly
– aligators, snakes and monkeys in buses (serious! promise!) 😉

And last: girls wear less clothes.

…que o Dago respondeu à altura, comparando com a Alemanha:

Girls wear less clothes…yes, mainly at the beach. But let me say: in the short time I was in Germany I saw several naked people near a lake, or sun-bathing at a river shore. Never have I seen that here 🙂

Se alguém precisar de tradução, é só avisar que faço mais tarde. Agora ainda tô morta da semana, praticamente caindo de sono…

::Onde fica Ausfahrt?::

17/11/2017

Encontre resposta para essa e muitas outras perguntas relacionadas à direção no inverno nas rodovias alemãs nesse artigo informativo e bem humorado! Ausfahrt, essa cidade alemã deve ser muito grande!…

::Como notícias inventadas – vulgo “fake news” – ganham o mundo…::

15/11/2017

Quem se lembra de ir à caixa dos Correios no Brasil, nos idos de 1900 e lá vai pedrinha, e buscar cartas mas encontrar… correntes?!? Eu me lembro disso nitidamente. A caixa de Correios lá de casa era na descida da rampa e eu tinha desenvolvido estratégias especiais pra ter certeza de que tinha mesmo algo lá antes de descer pra buscar. E quando chegava lá e só achava correntes… eu ficava p. da vida!

O tempo passou e as correntes ganharam o Brasil e assim o mundo através da internet. Infeliz combinação essa, viu? Pior ainda misturada à nossa mania de enaltecer outros países e falar/pensar mal do Brasil, daí a notícia vira prato cheio.

Dessa vez a notícia inventada que já estou até cansando de ver repetidamente na internet é sobre a chanceler alemã Angela Merkel. A notícia não pode ser verdadeira por várias razões:
a) já pesquisei duas vezes e não acho nada parecido na internet em alemão
b) professores não fazem parte das profissões mais bem pagas na Alemanha
c) a Merkel gosta conhecidamente de ficar em cima do muro com relação a várias questões e dificilmente defenderia um grupo profissional da forma referida no artigo, muito menos denegrindo assim outros profissionais. Não faz o estilo dela. Além de gostar de ficar em cima do muro por questões estratégicas, ela é integrativa e procura zelar pelo respeito na sua comunicação.

IMG_6899
Bom, vamos fazer uma coisa? Antes de repassar uma corrente, pense:
a) pra quê?
b) vai fazer diferença pro mundo?
c) se fizer, dê uma pesquisadinha básica na internet antes de propagar a notícia. A listinha das notícias falsas, hoax, fake news, etc. agradece!

Já comentei que gosto da democracia da internet, onde qualquer um pode emitir sua opinião, mas notícias falsas são definitivamente o revés dessa liberdade!…

::Um alemão em Blumenau::

06/11/2017

Como se sente um alemão do século 21 visitando Blumenau em Santa Catarina? Descubra nesse texto bem humorado do correspondente alemão do jornal Die Zeit, Thomas Fischermann.

::O nosso amigo, o frio::

05/11/2017

O frio chegou e não é nada fácil, todo ano é o mesmo processo: aceitar que tenho que usar muitas roupas, que tenho que reagir à mudança de temperatura, dar uma olhada nos meus sapatos de inverno, me ensimesmar, entrar pra dentro do meu casulo, o que tem até um lado bom, tenho a dizer. Olhar menos pra fora e mais pra dentro. Na realidade é bom pra quem gosta de escrever como eu.

Mas… com o frio também aparecem as pessoas doentes, os vírus são sabidinhos e pensam em novas formas, vírus vai, vírus vem, e eu pelo menos já fui “laçada” este ano. E como boa menina que sou, distribuí o que tinha entre os meus em casa, e todos nós ficamos doentes… e um trator passou por cima de cada um, nos nocauteando um após o outro, várias vezes já na segunda semana do nosso dia a dia de remedinhos caseiros e não-caseiros.

Bom, mas é o que fazer pra tentar fugir dele, o nosso querido amigo, o frio? Bom, fugir mesmo não dá jeito. Temos que sair pra passear assim mesmo, “aproveitar o ar fresco”, como diriam os alemães.

No mais, os segredos dos alemães no que diz respeito a lidar com o frio se resumem ao seguinte:
a) Não há tempo ruim, só roupa que não é adequada
b) Efeito cebola: vestir várias camadas e ir tirando, caso necessário
c) O calor do corpo sai pelas extremidades. Vale a pena investir em bons sapatos e lembrar de usar todos os acessórios: gorro, cachecol, luvas, meias-calças e/ou meias quentinhas. 

Noto que cada um perde o calor mais por uma parte do corpo. É ela que tem que ser mais protegida. No início não dei ouvidos à dica dos bons sapatos até que meus pés se congelaram na rua… E uma boa jaqueta não tem preço!…

O bom é que pra crianças, hoje em dia, é possível achar roupas de frio bem em conta em lojas de departamento ou em segunda mão. A parte ruim da história é que elas crescem… Bom, de agora pra frente todo meio de esquentar o corpo é pouco. É melhor tirar roupa por estar suando do que passar frio, vá por mim. E se quiser deixar seus truques anti-frio aqui nos comentários, os outros leitores agradecerão, e lembrarão de você num momento desses debaixo das cobertas!… 

::Catarina de Bora / Catarina Lutero::

05/11/2017

Katharina-v-Bora-1526-1

Em alemão, o nome da esposa de Martinho Lutero (Martin Luther) era Katharina von Bora ou, depois do casamento, Katharina Luther. Ela foi freira católica, mais tarde esposa, mãe de seis filhos, mulher de negócios, dona de uma pensão e de uma cervejaria, de campos que usava para plantar os legumes e criar os animais que usaria para oferecer refeições aos clientes da pensão, entendia de ervas medicinais, tinha tempo para jardinagem, cuidado de animais, compra e venda de imóveis, administração dos negócios e propriedades… Era uma mulher com voz e pensante, que nasceu em 29 de janeiro de 1499 e viveu até 20 de dezembro de 1552, a mulher por trás de Martinho Lutero, o líder da Reforma Protestante. Ela entrou para a história como uma das poucas mulheres de sua época que vivia a vida que pensava ser certa para si, dentro das possibilidades da época, com pleno apoio de seu marido.

Pelo fato de ter sido freira, Catarina tinha tido a sorte de receber educação formal, algo impensado para mulheres de sua época, tendo aprendido a ler e escrever, também em latim, além de ter tido aulas de matemática, canto, cozinha, jardinagem, de cuidados com doentes e de ter aprendido as propriedades das ervas medicinais que plantava nos jardins do convento.

Dr. Martinho Lutero, ex-monge e professor de teologia da universidade de Wittenberg, líder da Reforma Protestante, via homens e mulheres como seres iguais perante a Deus, mas talvez por influência da época nem sempre ele achava, em geral, que mulheres e homens tinham o mesmo valor, apesar de ver em sua esposa a presença de Deus em sua vida e de frequentemente convidá-la para sentar-se ao lado dele nas reuniões que mantinha com outros reformistas do sexo masculino. Ele sugeriu que também meninas, além dos meninos, pudessem ir à escola para terem a capacidade de ler e formar sua própria opinião a respeito das coisas, mas chegou a afirmar que o homem era como o sol, com luz própria, e a mulher como a lua, iluminada pela luz do sol. Mesmo assim, ele primeiro a influenciou com seus escritos, afirmando que mulheres não precisavam viver como freiras para honrar a Deus, e que seriam salvas por meio da fé, quando ela decidiu fugir do convento junto de 11 outras freiras em 1523, e mais tarde, depois do casamento em 1525, proporcionou à Catarina, a partir de seus 26 anos, uma vida em liberdade, lhe dando os meios para que ela transformasse o local onde viviam em uma pensão e se ocupasse diariamente da criação dos muitos filhos, da administração de suas propriedades, da impressão e venda das ideias de seu marido Lutero e dos clientes da pensão, que chegavam a formar um grupo de 40 pessoas, para quem tinha que oferecer diariamente hospedagem e comida. O que tinha começado como um casamento arranjado e com grande diferença de idade (16 anos) entre um ex-monge e uma ex-freira, plenamente criticado pela sociedade em que viviam, acabou resultando em uma união estável com pontos positivos para ambos.

Entretanto, sua vida mudou completamente quando Martinho Lutero morreu, em 1546. Apesar dele ter deixado um testamento reconhecendo sua esposa como sua única herdeira e declarado que ela tinha plenos direitos sobre os filhos, fato que não era comum na época e contra o que ela enfrentou muitas dificuldades. Além do mais, teve que fugir de representantes da igreja católica e de ondas de doenças como a peste, tendo perdido suas propriedades e sido forçada a viver da ajuda de outras pessoas. Em uma dessas fugas, se envolveu em um acidente de charrete, que ela mesma guiava e que a levou à morte, seis anos depois de seu marido ter falecido. Ela morreu no ano de 1552, doente e praticamente empobrecida, em Torgau, na Alemanha.

Fontes: diversos artigos na Wikipedia do Brasil e da Alemanha, MDR, assim como diversos vídeos e documentários assistidos durante as comemorações de 500 Anos da Reforma.

::Let us live how we dance – Vivamos como dançamos::

03/11/2017

Vocês adoram esse comercial tanto quanto eu?!?

E a cantora é uma menina francesa de 25 anos, a Jain. Olhem a versão original da música dela, que demais!


%d blogueiros gostam disto: